A importância do queijo coalho na cultura nordestina
   2 de fevereiro de 2021   │     14:04  │  0

Assado na brasa, frito, na sobremesa com goiabada ou melaço. Ele faz sucesso de todos os jeitos. A fama do queijo coalho é tão grande quanto sua importância para gastronomia nordestina.

O historiador Luís Câmara Cascudo diz que a fabricação do queijo no Nordeste iniciou com as primeiras fazendas nos sertões, ou seja, o queijo coalho é produzido há mais de 150 anos. Os registros indicam que tudo começou com o malutão, uma bolsa feita do estômago de animais em que os viajantes guardavam o leite. Com as longas e quentes jornadas, o leite coagulava, formando uma massa espessa, que deu origem ao queijo de coalho.

É por isso que o queijo de coalho faz parte da nossa história. É como pensar no churrasco para o gaúcho ou no acarajé para o baiano. E o mais legal disso, é pensar nesses alimentos como modos de expressão da cultura.

Ou seja, quem conhece o queijo coalho está conhecendo a cultura nordestina. Foi o que aconteceu, em 2015, com John Oseid,  jornalista da Forbes que visitou o Sur e estampou nosso carpaccio do queijo na revista com destaque.

Na época, John escreveu: “Os muitos estados menores do Brasil que compõem o Nordeste têm suas próprias culturas e culinária, mas compartilham o amor por coisas como macaxeira, manteiga de garrafa, e, claro, maracujá e coco. O queijo de coalho, aprendi em muitos bufês de café da manhã de hotéis, é uma especialidade nordestina”.

Para ele, o modo como o queijo coalho foi servido na ocasião da visita demonstrava “o aceno para a arte” da nossa gastronomia. O que me deixou muito honrado, porque arte, gastronomia e nordeste são mesmo um trio imbatível e que valorizo muito. É como trio de forró pé de serra, o sucesso é garantido.

E você, como gosta de saborear o queijo coalho? Fica ligado que esse será um ingrediente frequente nas receitas aqui do blog!

 

Receitinha: Queijo coalho tratado como carpaccio

  • Fatiar lâminas de 100g de queijo coalho cortando-o em discos
  • Queimar com o maçarico
  • Adicionar 20g de castanha de caju torrada, alguns tomates cerejas confit, alcaparras, pingos de mostarda Dijon e finalizar com folhas de manjericão e azeite de ervas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *